Bianchi Ocelot MTB Fixa (pinhão Surly Dingle 21x17 e a altura do mov.central é 29cm)

quarta-feira, 30 de março de 2011

A Conversão de MTB de Aço/ Cromoly em Fixa com Rodas 700c (speed)

Atualmente têm sido usados quadros de Caloi 10 e outros quadros de speed com gancheira horizontal nas conversões para quadro de fixa – fixed gear.

Porém os quadros de MTB feitas de aço carbono ou de cromoly oferecem enormes possibilidades para conversão em fixed gear para uso urbano. Os de alumínio, não são indicados, pois soldas enfraquecem o quadro, e, portanto seria necessário refazer o tratamento térmico do alumínio.

A principal razão é que uma MTB com rodas 700c resulta em uma distancia do centro do movimento central ao chão de 29 a 30cmmuito superior ao de uma bicicleta de pista, o permite enfrentar melhor os obstáculos das ruas causadores de tombos: lombadas, buracos, desníveis etc.

Um aro 700c tem um diâmetro de 622mm e um aro 26” de MTB tem 559mm, ou seja uma diferença de  63mm ou quase 2,5” polegadas .

Um quadro de MTB convertido para fixed gear com rodas 700c ou ainda com rodas de aro 27”, tem a mais em comparação a outros quadros de estrada/speedy convertidos para fixa / roda-fixa, o seguinte:

1)     A distancia do centro do movimento central ao chão (por ex: Peugeot Tim Gould MTB tem 30,5cm ou uma Bianchi Ocelot MTB que têm 29cm) é superior ao de uma bicicleta de pista – uma bicicleta Alien de pista (modelo em cromoly) (www.alienbikes.com) com pneus 700x25 tem uma distancia do chão de 28.5 cm. Uma Caloi Eddy Merckx com pneus (700 x 28) tem 27cm do chão.

2)     Não tem o ”overlap” do pedal com a roda dianteira, o que ocorre às vezes com quadros de estrada convertidos em fixa; ressaltando que em uma fixa você nunca deixa de pedalar, inclusive nas curvas.

3)     Existe espaço para usar pneus maiores/mais largos: tipo 700x32 ou 700x38.

4)  É mais robusta que um quadro de pista ou de speed, ou seja aguenta mais rodar nas trilhas que a prefeitura chama de ruas.

Além disso, é possível utilizar um pedivela de 172.5mm ou 175mm (dá + alavanca à pedalada) e mesmo assim não ocorre “overlap” do pedal com a roda – isso e’ muito importante quando se faz uma curva com uma bicicleta de pinhão fixo ou roda fixa, pois você entra e sai da curva pedalando, você nunca para de pedalar Usualmente em fixas de uso urbano recomenda-se pedivelas de 165mm de comprimento ou no máximo 170mm. 


Recentemente saiu esta pérola em uma rede social sobre a conversão de MTB em fixa com roda 700c:  “Eu nao converteria também aro 26 em 700... Eleva demais o movimento central e o centro de gravidade fica muito alto... Perde estabilidade...”  Isso não é verdade, pois as duas MTBs que converti com rodas 700c não perderam estabilidade.

 O autor do comentário acima esqueceu do contexto, o que muda muito a situação: a conversão de MTB em fixa com rodas 700c tem como objetivo re-aproveitar um quadro que esteja parado para fins de lazer ou deslocamento casa-trabalho ou casa-colégio etc. Ou seja, nada mais complicado do que isso.  Consequentemente a bike produto dessa conversão não será utilizada em competições no velódromo ou fazer downhill etc, mas simplesmente para curtir pedalar.

Vejamos os aspectos objetivos da conversão.  Uma bike com geometria de pista tem um movimento central mais alto que uma bike de estrada, ou seja um drop de 60mm versus um drop de 70mm (speed). No post : "A Escolha do Quadro daFixa: Geometria de Fixa vs. Pista vs. Estrada" mostramos uma tabela sobre a geometria das bikes produzidas pela Affinity cujo  "drop" do movimento central vai de 10mm até 70mm (speed). E em outro post: "Bike Check: Viking do Martens" mostramos a geometria da Look 496 (bike de pista top feita em carbono) cujo "drop" do movimento central é de 50mm. A Look 496 tem um dos movimentos centrais mais altos entre as bikes de pista, considerando que uma Panasonic NJS (bike keirin) tem 60mm. A minha bike fixa Bianchi Ocelot que é uma MTB com rodas 700c tem um "drop" de 50mm que é o mesmo da Look 496. E não tem instabilidade, assim como que a Look 496 também não tem.

Tensionando a Corrente nos Diversos Tipos de Quadros de MTB

As MTBs , as mais antigas, vinham com gancheira horizontal, o que facilita muito a conversão para fixa, pois não é necessário trocar a gancheira, dado que é possível tensionar a corrente sem maiores dificuldades.

Nos anos 90, as MTBs passaram a vir com gancheiras verticais; e nesse caso existem algumas maneiras de tensionar a corrente; a saber:

1)  magic gear + “half link”: Neste caso busca-se a relação coroa x pinhão que deixa naturalmente tensionada a corrente e as vêzes com a ajuda de um “half-link”; o inconveniente é que não é possível alterar essa relação; ela é perpétua. Existem softwares na web que calculam essa relação em função do comprimento do “chainstay”: http://eehouse.org/fixin/formfmu.php?maxRing=53&minRing=34&maxCog=20&minCog=13&stayLen=42&wheelDiam=26.16&isMetric=1&display=png&useHalfLink=&stretch=0&axleAdjust=vert&sortKey=Stay_length

2)  cubo ecentrico: O Eno Eccentric hub fabricado pela White Industries resolve esse problema de tensionamento da corrente, mas tem o inconveniente de ser caro, pois o custo total fica em US$ 200.00 a US$ 235.00, portanto só se justifica no caso de um super-quadro (carbono, scandium, titânio, Columbus Ultra Foco etc.). Ele tem o problema de mudar a posição do aro em relação às sapatas do freio e as vêzes as sapátas pegam no pneu, a solução é usar sómente freio dianteiro. Além disso, o Eno requer que voce monte uma nova roda.

3)  adaptador ecentrico para movimento central: Uma empresa canadense (http://www.forwardcycle.com/) desenvolveu uma adaptação que permite substituir os copos do movimento central Hollowtech II da Shimano por esses copos ecentricos e as esferas são fornecedas pela KLM que as vende como reposição das esferas do movimento central da Shimano. Entretanto o sistema tem três inconvenientes: 1) as opções de pedivela são mais restritas (basicamente os modelos de pedivela da Shimano que usam o Hallowtech II), pois no caso do cubo ecentrico voce pode usar o pedivela que quiser; 2) passar o sistema para uma outra bike é muito mais trabalhoso do que trocar de roda (cubo ecentrico); 3) o preço do sistema rivaliza com o do cubo ecentrico ( US$ 160.00 +frete); 4) dependendo da combinação coroa x pinhão, é necessário usar um "half-link" para a corrente ficar  bem tensionada. Além da Forward Cycle, existe o MC ecentrico fabricado pela empresa alemã  Trickstuff - denominado Exzentriker, maiores informaçoes aqui , e que custa E$ 160.00, e funciona de modo semelante ao Forward Cycles. 

Movimento Central Ecentrico da Trickstuff
Movimento Central Ecentrico Montado com Pedivela Shiamno p/ MC Hollowtech II

4)  trocar a gancheira: neste caso a gancheira vertical é substituída por uma de pista – horizontal. Ressalte-se que existem três tipos de encaixe dessas gancheiras. As gancheiras abaixo podem ser encontradas na Ceeway (Inglaterra).

a)  tradicional, que requer solda por brasagem:



b) encaixa nos tubos, e requer solda por brasagem:




c) Soldada nos tubos dos “stays” por fillet brasing ou por solda MIG ou TIG.



Esta feita pela Surly – empresa pioneira na fabricação de quadros fixed gear para uso urbano.

A principal vantagem é que ela pode ser soldada com solda MIG ou TIG sobre os restos de uma gancheira vertical que foi recortada para acomodá-la, e você tem muito mais flexibilidade em termos de ângulo para deixar a gancheira na posição apropriada.



Abaixo a KHS com as gancheiras da Surly soldadas com TIG sobre o que sobrou da gancheira antiga.



FREIOS para MTB FIXA com Roda 700c

As rodas 700c inviabilizam a utilização dos suportes existentes para V-Brakes, pois eles são para aros de 26 polegadas.

Habitualmente, nas fixas usa-se somente um freio, que é o dianteiro, neste caso existem algumas opções, mas você precisa checar o alcance do freio – distancia do centro do furo onde vai o freio no garfo até o meio da borda do aro onde pega a sapata do freio:

                1) freio Dia Compe Bulldog que é para BMX, mas tem pinças longas

                2) freio Tektro R556 com alcance entre 55-73mm;

                3) freio Tektro R536 com alcance entre 47-57mm;


Ressalte-se que os freios tradicionais de estrada – fabricados pela Shimano, Campagnolo ou Sram tem um alcance entre 39-49mm.

Outra solução é trocar o garfo de MTB e colocar um de hibrida ou touring que utilizam rodas 700c e também freios V-Brake.

Além disso, a Mavic faz uns adaptadores para V-Brake que move o freio mais para cima, de modo que ele alcance uma roda 700c, neste caso é possível manter o mesmo garfo de MTB.

Vejam este link:



Adaptador Mavic para Freio V-Brake - Aro 700c
Existe uma ferradura simples que é parafusada no suporte para cantilever / V-Brake junto com o freio cantilever ou V-Brake para evitar que os "stays" abram quando o freio é puxado, pois isso diminuir a frenagem do mesmo. Essa ferradura é muito parecida com o adaptador da Mavic, e para ficar igual basta parafusar suportes de cantilever na mesma posição que o da Mavic.

USANDO GARFO DE SPEED na MTB

Caso o ciclista deseje dar um ar de bike de speed e usar um garfo desse tipo de bike, deverá levar em conta o seguinte detalhe:

- a distancia entre o eixo do cubo dianteiro até onde é assentada a pista do garfo é maior no caso de um garfo de MTB do que em um garfo de speed. Consequentemente ocorre uma mudança na geometria da bike. Essa distancia em um garfo de speed fica entre 36.5cmm e 37.5cm; e no caso de um garfo de MTB ela fica entre 39.5cm-40.5cm; isso em termos gerais.

Para evitar que isso aconteça, faz-se necessário adicionar um prolongador de tubo frontal, na parte inferior, o qual pode ser feito por um torneiro com um tubo sem costura para ficar + resistente, e que pode ser soldado com MIG (+ baixa a temperatura); assim a distancia entre o topo do tubo frontal até ao eixo do cubo, ficará muito parecido com a anterior usando o garfo original.


MOVIMENTO CENTRAL (MC) para MTB CONVERTIDA em FIXA

As MTB antigas usavam MCs que eram iguais aos de speed, só que com eixo mais longo. Ou seja, a caixa aonde vai o MC tinha 68mm, igual a de speed; pois a distancia entre gancheiras era de 130mm, mas isso perdurou até às 7 velocidades.

Quando as MTB passaram para 8 velocidades, a distancia entre gancheiras pulou para 135mm e a caixa onde vai o MC também aumentou 5mm, passando de 68mm para 73mm.

As MTB sempre usaram eixos + longos que as bikes de speed, visto que elas usam pedivela triplo e os de speed são duplos. Convertida em fixa, a MTB passa a utilizar uma coroa e um pinhão, e para manter a linha da corrente faz-se necessário um eixo mais curto. A exceção é no caso do pinhão Dingle da Surly, para o qual é usado um pedivela com duas coroas, mas isso será tratado em outro tópico.

A maioria das MTBs usam MC com rosca inglesa (1.37” x 24 TPI), e para caixa com 73mm de comprimento, encontra-se com eixos de ponta quadrada mais curtos nas medidas de 107mm e 110mm.

 Nas demais MTB, com caixa de 68mm ( mesmo que speed) encontram-se eixos ponta quadrada com 102mm (campagnolo, Token), 103mm (shimano, Tange, Sugino, FSA, Token); 107mm (Shimano, Miche, Tange, Chin Haur, Stronglight etc.); 110mm (Shimano, Miche , Tange, Chin Haur etc) e 111mm (Campagnolo, Token etc).

O MC a ser usado é aquele que vai deixar o pedivela + próximo do quadro sem que a coroa /aste do pedivela roce o “chainstay” do quadro. Às vezes é necessário colocar espaçadores (ou arruelas inox de pressão que foi retirada a pressão) na coroa para ela ficar bem posicionada na linha da corrente do pinhão fixo.


PEDIVELA de MTB, de ESTRADA ou Pista na MTB CONVERTIDA em Fixa

Esse é um aspecto importante por dois fatores: 1) a distancia externa entre os “chainstays” da MTB é maior do que no quadro de speed, visto que a MTB usa pneus mais grossos; 2) consequentemente os pedivelas de MTB tem uma maior curvatura do braço do que os de speed / Pista para não atingirem/roçarem no “chainstay”.

Caso você queira usar um pedivela de speed em uma MTB convertida, talvez seja necessário prensar o “chainstay” para o pedivela não esbarrar no mesmo.

Vejam nessa foto o chainstay esquerdo foi prensado para que o pedivela de estrada não roce nele:

Chainstay Esquerdo foi Prensado para o Pedivela Não Bater



Pinhão Dingle, Pedivela Duplo e o Movimento Central

O pinhão Dingle tem 2 pinhões montados em uma única rosca, os quais são fabricados pela Surly; e eles são a quintessência da fixed gear de uso urbano.

Pinhão Surly Dingle


Minha experiência em montar uma roda com esse tipo de pinhão, implicou em usar um MC para pedivela duplo, pois o Dingle requer 2 coroas que tenham uma diferença de dentes similar ao Dingle. Suponhamos que o Dingle tenha 17 e 21 dentes, diferença entre eles de 4 dentes, então as coroas deverão ser 44 e 40 dentes, ou 48 e 44 dentes etc., assim o comprimento da corrente sempre fica igual. Entretanto, voce pode ter na frente uma diferença de 5 dentes (44x39) e atrás 4 dentes (17x21), mas para isso funcionar é necessário adicionar "half-link" à corrente, para que o eixo do cubo não fique muito para trás.

No caso da conversão de uma Bianchi Ocelot MTB, na qual foi utilizado um pedivela Campagnolo Chorus, com 2 coroas – 44 e 39 dentes; um MC  para caixa 68mm / rosca inglesa e com eixo de 111mm, foi necessário prensar uma parte pequena do chainstay direito (cerca de 15mm) para a COROA de 39 dentes não roçar o chainstay. Essa foi a melhor maneira, pois a alternativa seria colocar um eixo maior, mas isso comprometeria a linha da corrente.


Resumindo, procuramos abordar no artigo os principais aspectos que devem ser observados ao converter uma MTB em fixa com rodas 700c.


Existem outros posts no blog que estão relacionados com a montagem de uma fixa partindo de um quadro de MTB, como por exemplo: A Conversão de uma MTB Peugeot em Fixa com Rodas 700c (Estrada)”. O detalhamento completo das peças utilizadas na montagem dessa Peugeot está neste post:"Bike Check: Peugeot MTB FIXA da Nanda e também têm este outro post sobre a conversão de um quadro de MTB em fixa: "Bike Check: Bianchi Ocelot Fixa" .

 Apesar dos potenciais percalços, duas coisas motivam essa conversão: 1) o MC fica bem alto, o que minimiza as possibilidades do pedal bater no chão e ocorrer um acidente; 2) fica uma bike robusta apesar do peso.

Exemplificando,  uma MTB Bianchi Ocelot, o quadro pesa cerca de 3 kgs, mas ela montada como fixa e com rodas 700c ficou com um peso de 9,3 Kgs; para fins de comparação uma Caloi 10 com marchas e original pesa cerca de 15,7 Kgs, e uma MTB  top feita em carbono (suspensão dupla, freio a disco etc.) tem ao redor de 9,0 – 9,5 Kgs. 


Boas Pedaladas à Todos

by MarchaFixa

14 comentários:

  1. Amigo, boa tarde.

    Tenho uma Bianchi, Ocelot, original, com alguns acessórios ordinarios, do tipo bagageiros dianteiro e traseiro, mêsa articulada, e paralamas de metal, pneu kenda kwest 26x1,5 e gostaria muito em transformala numa aro 700. Do ponto de vista técnico e financeiro é possível fazer esta modificação na minha bici?

    Muito obrigado.

    ResponderExcluir
  2. Completando...

    Não quero transforma-la numa fixa -pelo menos por enquanto- quero apenas usar aro 700 e desfrutar da melhoria do desempenho, do flanar, para poder iniciar algumas aventuras de estrada.

    ResponderExcluir
  3. Marcelo,

    É possivel fazer isso do ponto de vista técnico. A única coisa mais complicada são os freios com rodas 700c, será necessário utilizar o conversor da Mavic mostrado acima ou fazer um adaptando as ferraduras que mencionei acima. Quanto a parte financeira depende de quanto voce quer gastar. Voce vai precisar de aros 700c e novos raios, pneus, camaras e dois adaptadores para V-Brake (Mavic ou voce adapta as ferraduras.

    Ats,

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigado pela orientação, ainda não me sinto preparado no quanto posso gastar para fazer a adaptação, mas, penso em usar produtos intermediários nos preços e na qualidade, desde que o barato não acabe saindo caro. Estou namorando mesmo essa adaptação, o que me parece inevitável pelo fato de ter uma ocelot, todavia preciso me programar.
    É vc mesmo quem faz as adaptações ou vc indica quem faz?

    ResponderExcluir
  5. Marcelo,

    Eu não faço as adaptações (solda etc.), mas sim digo o que eu quero e de que maneira precisa ser feito. Se voce quiser trocar a gancheira, voce vai precisar de um framebuilder. Se voce quiser usar um garfo de estrada - talvez seja necessário extender o tubo frontal como eu fiz bna minha Ocelot (encomendei o extensor em um torneiro e outro fez a solda MIG). Ats,

    ResponderExcluir
  6. Amigo, qual o tamanho do eixo do movimento central para alinhar a corrente usando um cubo de freio a disco parafusado? abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maxwell, O tamanho do eixo do MC irá depender do tipo de pedivela que voce irá usar, alguns ficam ótimos com 103mm, outros com 107mm ou ainda com 110mm. Este ppost neste link poderá esclarecer as coisas: http://bikefixabr.blogspot.com.br/2011/05/comentario-sobre-movimento-central.html

      Como regral geral, nunca utilize um movimento central com eixo maior que 111mm.

      Ats,

      Marcha Fixa

      Excluir
  7. Acabei fazendo a minha fixa no quadro de mountain bike utilizando aros 26 mesmo. Achei que tava fazendo um absurdo, mas foi legal ver que tem uma galera que faz fixas nesse estilo pra manobras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,

      Fixas são feitas com os mais diferentes quadros e tamanhos de rodas. Ats. MF

      Excluir
  8. Olá. Fiz conversão para rodas 700c em minha bike. Porém não estou encontrando os adaptadores da Mavic. Pode indicar alguém que venda?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bruno,

      No Brasil eu nunca ví. Só no exterior. A alternativa é adaptar um "booster" de freio. Ats, MF

      Excluir
  9. Olá, primeiro parabéns pelo blog! Tem sido um manual de estudo e informação sobre o mundo das fixas!
    Tenho a chance de comprar um quadro Ocelot mtb mas estou com muitas dúvidas quanto as modificações necessárias para transformar em fixa. Primeiro, quem em São Paulo capital eu poderia contatar para fazer as soldas e a montagem, já que não tenho experiência...? Posso estar errado, mas o quadro de um modelo 1992 é feito de cromoly, certo? Pelos próprios pontos fortes que você menciona, movimento central alto, sem risco de overlap me interessei muito pela conversão…considerando que pedalo no dia a dia em São Paulo é muito relevante! Porém minha ideia é deixa-la mais "speed". Você acha possível, ergonomicamente falando? Muito obrigado.

    ResponderExcluir
  10. Fixze,

    Pelo seu texto, acho que você está meio confuso, não sabendo direito o que você quer. Um quadro MTB convertido em speed c/ marchas não fica bom, no máximo vira uma hibrida. A única vantagem da MTB antiga convertida em fixa sobre uma C10 é a altura do mov. central e em alguns casos a qualidade dos tubos. Ats, MF

    ResponderExcluir
  11. Meus pneus são 559 e possível usar eles no aro 622?

    ResponderExcluir